segunda-feira, 27 de junho de 2011

No departamento pela igualdade, mulheres recebem 8% mais que os homens


O seu papel é auto-evidente pelo seu título, mas parece que o Departamento Governamental pela Igualdade pode ter ido longe demais no processo de corrigir a "injustiça" na sua zona de influência. As suas funcionárias estão a ser pagas em média 7.8% mais do que os colegas masculinos. Por toda a Grã-Bretanha os homens em média ganham 10% mais do que as mulheres.
O departamento mais politicamente correcto da Grã-Bretanha, erigido para erradicar o sexismo por todo o Governo, tem também duas vezes mais funcionárias do que funcionários. Dos 107 funcionários, 65% são mulheres. Quando Harriet Harman, do partido Trabalhista, tomou a liderança do departamento, 56% dos empregados eram mulheres.
O MP Tory criticou o departamento pela aparente falta de entendimento do seu próprio lema, "Colocando a igualdade no centro do governo".
Um MP diz::
Isto destrói a credibilidade da agenda pela igualdade e diversidade se os burocratas do departamento pela igualdade estão-se a queixar duma representação desigual ao mesmo que praticam o reverso. É um óbvio caso de dualidade de critérios.
A estratégia Governamental em torno da igualdade avisa que "descriminação positiva não só não é aceitável, como é ilegal". No entanto desde 2008 que as diferenças entre os géneros quase que duplicou no Departamento Governamental pela Igualdade. Tornou-se um abismo debaixo da liderança da feminista Miss Harman.
Dados recolhidos a partir de 2008 revelam que por cada 7 empregos criados, 6 são para mulheres.

As palavras tem sempre um significado diferente no esquerdismo. Para o resto do mundo, igualdade significa isso mesmo: igualdade. Para as feministas, igualdade significa "vingança" ou "justiça social".

Números de telefone de emergência


Quando em pesar, ligue para João 14.
Quando os homens falham, ligue para Salmo 27.
Se desejar dar frutos, ligue para João 15.
Quando estiver em pecado, ligue para Salmo 51.
Quando estiver preocupado, ligue para Mateus 6:19 a 34
Quando estiver em perigo, ligue para Salmo 91.
Quando sua fé precisar ser renovada, ligue paraHebreus 11.
Quando parecer que Deus está distante, ligue paraSalmo 139.
Quando se sentir só e medroso, ligue para Salmo 23.
Quando se tornar amargo e crítico, ligue para I Coríntios 13.
Para obter a felicidade de Paulo, ligue para Colossenses 3:12 a 17.
Para obter uma idéia de cristianismo, ligue para I Coríntios 5:15-19.
Quando se sentir desanimado e deslocado, ligue para Romanos 8:31-39.
Quando quiser paz e descanso, ligue para Mateus 11:25-30.
Quando o mundo parecer maior que Deus, ligue para Salmo 90.
Quando quiser a segurança cristã, ligue para Romanos 8:1 a 30.
Quando sair de casa para o serviço ou em viagem, ligue para Salmo 121.
Quando as suas orações se tornarem mesquinhas e egoístas, ligue para Salmo 67.
Quando precisar de coragem para executar uma tarefa, ligue para Josué 1.
Como se relacionar com o seu semelhante? Ligue para Romanos 12.
Quando pensar em investimentos ou lucros, ligue para Marcos 10.
Quando estiver deprimido, ligue para Salmo 27.
Se a sua agenda estiver vazia, ligue para Salmo 37.
Quando começar a perder a confiança nos outros, ligue para I Coríntios 13.
Quando os outros parecerem maldosos, ligue para João 15.
Quando desencorajado no serviço, ligue para Salmo 126.
Quando achar que o mundo está ficando pequeno e você grande, ligue para Salmo 19.
Os números de emergência podem ser ligados diretamente. Não há necessidade da ajuda de uma operadora.
Todas as linhas para o céu estão livres nas 24 horas do dia!

Nova vacina contra o câncer é testada com sucesso


Sistema imunológico: células de defesa do organismo destróem células cancerígenas (Thinkstock)
Uma pesquisa conjunta de cientistas americanos e britânicos resultou no desenvolvimento de uma nova arma no combate ao câncer: uma vacina capaz de destruir os tumores. O estudo da Universidade de Leeds, na Inglaterra, e da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, foi publicado no periódico especializado Nature Medicine.
A nova vacina foi criada a partir da mistura de diversos fragmentos de DNA para estimular o sistema imunológico - um diferencial em relação às demais vacinas criadas até agora com base na "terapia genética", que se utilizam apenas de um tipo de gene. Uma vez no corpo humano, a vacina com esse gene era responsável por produzir um único antígeno que ativava o sistema imunológico, destruindo as células cancerígenas. A criação dessas vacinas, no entanto, era um desafio para a ciência, já que determinar qual o antígeno específico em questão é extremamente difícil.
Na pesquisa atual, os cientistas resolveram o problema usando diversos pedaços de genes do órgão afetado, para a produção de diferentes antígenos. Assim, a presença desses múltiplos DNA na vacina foi eficiente para fazer com que o organismo atacasse as células cancerígenas. A abordagem não levou o sistema imunológico à fadiga, uma preocupação prévia da equipe de pesquisadores.
Para o tratamento do câncer de próstata de um camundongo, por exemplo, os pesquisadores retiraram diversos pedaços de DNA de um tecido saudável da próstata. “O maior desafio na área de imunologia é desenvolver antígenos que podem atacar o tumor sem causar danos ao resto do corpo. Ao usar DNA da mesma parte do corpo onde está o tumor, poderemos resolver esse problema”, diz Alan Melcher, co-autor do estudo.
Embora a vacina não tenha feito o sistema imunológico reagir de forma exagerada, causando sérios efeitos colaterais nos camundongos, ela ainda precisa ser desenvolvida especificamente para humanos e, posteriormente, testada. “Só depois poderemos assegurar que esta técnica poderá ser usada um dia em pacientes com câncer”, diz Peter Johnson, clínico chefe do Instituto do Câncer da Inglaterra.

sábado, 25 de junho de 2011

Por trás dos movimentos pró-legalização de drogas


         

Ampla discussão foi retomada no Brasil por conta da ideia de se aprovar a legalização do consumo e vendas de drogas, especialmente a maconha. Apesar de o assunto já ser alvo de controvérsia desde os anos 90. Meios de comunicação de massa e políticos se manifestaram novamente agora, até porque é o tipo de polêmica que garante visibilidade, audiência e mantém uns e outros em evidência constante. Afora dessa motivação questionável, fica claro que o debate tende a crescer, ainda mais que recentemente o Supremo Tribunal Federal (corte máxima brasileira) se posicionou sobre as recorrentes “marchas da maconha” no país. Em decisão unânime, o STF liberou a realização dos eventos, que reúnem manifestantes favoráveis à descriminalização da droga. Para os ministros, os direitos constitucionais de reunião e de livre expressão do pensamento garantem a realização dessas marchas. Quando o assunto é uso para fins medicinais, vários países aderem. O potencial terapêutico da cannabis já é explorado nos EUA, Canadá, Reino Unido, Holanda, França, Espanha, Itália, Suíça, Israel e Austrália, entre outras nações.

Defensores da descriminalização da erva argumentam que, em tese, o uso permitido da maconha (entenda-se o consumo e a comercialização) ajudaria a reduzir a criminalidade decorrente do comércio ilegal e proibido que hoje ocorre. Contra isso, no entanto, pesam pesquisas médicas amplamente confirmadas sobre os malefícios do uso da droga, especialmente a longo prazo. O Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID), que é uma referência na questão acadêmica, publicou em seu site oficial livretos sobre várias drogas. No caso da maconha, entre outras afirmações, está a de que “os efeitos físicos crônicos da maconha são de maior gravidade. De fato, com o uso continuado, vários órgãos do corpo são afetados. Os pulmões são um exemplo disso. Não é difícil imaginar como ficarão esses órgãos quando passam a receber cronicamente uma fumaça que é muito irritante, dado ser proveniente de um vegetal que nem chega a ser tratado com o tabaco comum. Essa irritação constante leva a problemas respiratórios (bronquites)...sabe-se que seu uso prolongado interfere na capacidade de aprendizagem e memorização...”.*
Mas efetivamente o que significam, de uma maneira mais abrangente, esses movimentos pró-legalização de drogas? Há algumas conclusões que se podem tirar a partir dessa mobilização toda e que afetam a sociedade de maneira muito mais profunda do que se pensa ou se imagina.
                O pretenso combate à criminalidade em função da descriminalização de drogas, começando pela maconha como pretendem muitos no Brasil, pode ser uma grande ilusão. O que faz determinados países não apresentarem altos índices de criminalidade associada à venda e disseminação de drogas (quando isso realmente ocorre) é um conjunto de ações que incluem fortalecimento da educação formal, apoio de ONGs sérias e igrejas no processo de reabilitação e recuperação de dependentes e atuação exemplar de forças repressoras. No Brasil, tudo isso ainda é embrionário ou sequer existe em determinadas regiões. Que apoio governamental efetivo e consistente se dá, por exemplo, a igrejas que se propõem a trabalhar para ajudar na reabilitação de jovens viciados e suas famílias? A resposta pode ser vista diariamente através de notícias veiculadas na imprensa.
A Bíblia sugere que a educação é uma das chaves para uma vida livre de alguns dos males modernos. Não significa dizer que todos os “bem educados” estão isentos de qualquer problema (até porque isso não é verdade), mas a educação formal, em colaboração com o trabalho de famílias cujos alicerces estão em princípios sólidos, pode ajudar e muito. O ensino de pais para filhos fazia parte da cultura antiga oriental, mas é praticamente desprezado hoje. É interessante o que Moisés registrou no livro de Deuteronômio, capítulo 6, nos versículos 6 e 7, ao se dirigir ao povo que acabara de receber instruções divinas. “Estas palavras que hoje de ordeno estarão no teu coração. Tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, andando pelo caminho, deitando-se e levantando-se” (Almeida Revista e Corrigida – Edição Contemporânea). Soa um pouco estranho, em um primeiro momento, o dever familiar de inculcar algo na mente de outros, mas é bom raciocinar que pior ainda é a perda de vidas por causa de drogas. Entre os sinônimos para esse verbo inculcar estão fixar e gravar. Tenho lido mais um dos excelentes livros do neurocirurgião norte-americano, Ben Carson, em que fica nítido o conceito da importância de princípios na vida para sucesso profissional e pessoal. De origem pobre e certamente dentro do parâmetro que hoje chamamos de vulnerabilidade social, Carson, no entanto, contou com uma mãe religiosa e ciente do seu papel como primeira educadora, a ele foram inculcados alguns conceitos que o fizeram um dos mais respeitados médicos do mundo na atualidade.
Além disso, por trás de movimentos pró-legalização de drogas está uma despreocupação total com a saúde mental e física, principalmente de jovens, adolescentes e crianças. O que se pode esperar de uma sociedade permissiva com respeito ao uso de substâncias comprovadamente prejudiciais, inclusive, à capacidade plena de memorização e apreensão de conhecimento? Quando o apóstolo Paulo pergunta, em sua primeira carta aos Coríntios, capítulo 6 e versículo 19 e 20, que “ou não sabeis que o nosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus? Não sois de vós mesmos: fostes comprados por bom preço. Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo”.
                Não vejo futuro promissor para uma sociedade que se rende e aceita deixar que jovens usem e sejam vítimas fáceis do comércio indiscriminado de drogas e, por esse uso, lotem clínicas e centros de reabilitação. Se Deus está disposto, como diz a Bíblia, a conceder inteligência para o desenvolvimento pleno do ser, não me parece haver lógica em se aprovar a distribuição de veneno. Algo muito errado se percebe nos direcionamentos que a sociedade está buscando de modo geral, especialmente a brasileira. Alguns líderes estão admitindo que valores não são mais necessários e preferem oferecer o que de pior existe. Talvez pensem que isso vai tornar menos violenta, menos desigual ou menos degradante a nova geração. Triste engano.

NASA promove plano de emergência para funcionários




A NASA divulgou em seu site dois vídeos no mínimo curiosos. Neles há dicas de preparo para uma eventual emergência ou catástrofe. A intenção é ajudar os funcionários a salvar suas respectivas famílias, e quem faz o apelo é o administrador Charles F. Bolden Jr. Segundo ele, a NASA é uma “família” que tem de se preparar para todo tipo de emergência. O segundo vídeo detalha a preparação de um plano de resgate da família, em caso de emergência local ou nacional. E diz: “Como membro da família NASA, você fará qualquer coisa para que seus entes queridos estejam seguros; preparará com eles um plano de segurança para ser usado em caso de emergência local ou nacional, quer esteja na NASA, em casa ou na estrada.” E sugere:

Antes da fuga: faça um inventário.

1. Para sair do escritório: tenha barras de cereais, água, medicamentos, sapatos confortáveis e algumas coisas que lhe permitam aguentar algum tempo.

2. Em casa: tenha um estoque para sete dias. Garrafas de água, comida fácil de preparar e outras coisas que você precise em caso de ruptura prolongada dos serviços públicos. Dê atenção extra para lanternas e pilhas, rádio portátil, aquecimento auxiliar e algo com que cozinhar os alimentos. Tenha ferramentas para consertos de emergência.

3. No carro: deve-se ter sempre pelo menos metade do tanque com combustível. Certifique-se de que os níveis de óleo estejam bons e a pressão dos pneus correta.

4. Kit de emergência portátil: deverá conter cobertores, jogos para as crianças, bastante água engarrafada e barras de cereais.

Planeje como entrar em contato com sua família, caso estejam separados. Desenvolva seus planos.

1. Tenha um contato fora do Estado em que você mora. Informações atuais e confiáveis não estarão necessariamente disponíveis, então, use seu bom senso para avaliar a situação e, quando possível, acompanhe as notícias na TV, rádio e internet.

2. Se for necessário abrigar-se em casa: (a) feche as portas, janelas e aberturas; (b) desligue ventiladores, ar condicionado e aquecimento; (c) leve seu saco de emergência e vá para uma peça fechada com tão poucas janelas quanto possível.

3. As circunstâncias podem fazer com que você tenha que deixar sua casa urgentemente:

- Escolha vários destinos em diferentes direções.
- Mas, primeiro, esteja pronto para se encontrar numa casa ou em outro lugar num local pré-determinado fora do seu bairro.
- Desligue a água e o gás.
- Tenha rotas de evacuação alternativas, especialmente se você não tiver carro; informe-se sobre outros meios de transporte.
- Leve seu saco de emergência e feche a porta à chave.
- Lembre-se de que o tanque de combustível deve estar pelo menos pela metade.
- Leve seus animais de estimação, mas lembre-se de que nos centros de acolhimento são aceitos apenas os animais de “serviço”.
- Ligue ou mande um e-mail para seu contato fora do Estado; dê-lhe seu destino e rota.

Você desenvolveu seu plano, está na hora de aplicá-lo.

Missão de Segurança – prepare-se: prepare a lista dos seus equipamentos de emergência. Confira o que você tem e compre o que precisa. Quando possível, pegue suplementos como pilhas; alguns itens essenciais poderão não estar disponíveis no seu local de destino. Não espere, vá às compras hoje. A segurança da sua família pode depender disso. É claro que nenhum plano funcionará se as pessoas não souberem seu papel: para onde vou, quem vou encontrar, etc. Garantir que todos saibam o que fazer em qualquer cenário.

Inicie – ponha o seu plano em prática: como os astronautas que reveem e repetem várias vezes o que devem fazer, você precisa praticar e ensaiar seu plano familiar até que se torne naturalmente familiarizado com ele. Para que todos estejam prontos, faça exercícios todos os meses. Se o inesperado acontecer, todos ficarão felizes por você ter pensado e planejado.

Então, lembre-se:

1. Antes da fuga – faça um inventário
2. Missão – desenvolver seus planos
3. Missão de segurança – prepare-se
4. Inicie – ponha seu plano em prática

Você se sentirá mais seguro, sabendo que fez o que pôde para que sua família e sua família da NASA estejam seguras.

(Fonte: www.nasa.gov)


Nota: Fiquei pensando cá com meus botões: O que esses caras sabem que a gente não sabe? Mas depois me tranquilizei pensando: eu sei de algo que parece que eles não sabem...[MB]


(Criacionismo.blog)

sexta-feira, 17 de junho de 2011

ONU vai votar resolução sobre direitos civis dos gays


Agência Estado, 16.06.2011, às 16h40min. 

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) prepara-se para votar amanhã uma histórica resolução em apoio aos direitos dos homossexuais. A resolução é apoiada pelos Estados Unidos, cuja posição sobre o tema mudou drasticamente depois da chegada de Barack Obama à presidência, em 2009.Em Washington, funcionários do governo norte-americano disseram hoje acreditar que a medida passará com uma estreita maioria dos votos. Caso tenha sucesso, esta será a primeira resolução em apoio aos direitos dos homossexuais a ser aprovada em um órgão da ONU. As discussões sobre o tema nos fóruns da organização costumam ser bastante polarizadas.A resolução proposta defende direitos iguais às pessoas independentemente da orientação sexual e manifesta preocupação com a violência e a discriminação contra os gays e lésbicas pelo mundo.Nota: Com a pretensa tônica de respeito aos direitos dos homossexuais, é muito provável que a Organização das Nações Unidas dê não apenas apoio aos direitos dos homossexsuais, mas à prática homossexual também. É fundamental entender que se tratam de objetivos diferentes. Uma coisa é se defender o direito de uma pessoa ter acesso aos mesmos serviços que outros têm indepedente de sua religião, cor ou sexualidade. Esse direito é lícito, bem como se evitar a agressão ou violência contra qualquer pessoa. Outra coisa é haver uma resolução que defenda o homossexualismo. Se tal resolução tiver essa segunda conotação vai se chocar frontalmente com os ensinos bíblicos defendidos por vários cristãos e mesmo pessoas de outras culturas e crenças que também não consideram correta a prática da homossexualidade. E isso inevitavelmente vai criar um constrangimento entre os cristãos, bem como poderá ser entendido como uma tentativa de tolher a liberdade de quem pensa diferente do assunto. É a mesma questão já bastante discutida aqui no Brasil sobre a liberdade que religiosos querem ter de poder se manifestar livremente contra a homossexualidade sem que tal atitude seja interpretada como crime ou afronta aos direitos de homossexuais. 


(Realidadeemfoco.blog)
(Redarg)

Estamos a caminho de um desastre de proporções bíblicas


O lendário investidor Jeremy Grantham da OGM publicou um tratado sobre a causa da explosão dos preços das commodities. Ele também ofereceu uma visão assustadoramente deprimente para o futuro da humanidade. Grantham conclui que o mundo sofreu uma permanente “mudança de paradigma”, na qual o número de pessoas no planeta Terra final e permanentemente ultrapassou a capacidade do planeta de nos sustentar. Especificamente, diz Grantham, o fenômeno das pessoas cada vez mais usando uma fonte finita de recursos naturais não pode continuar para sempre - e os preços dos metais, os hidrocarbonetos (petróleo) e dos alimentos estão agora começando a refletir isso. Em outras palavras, diz Grantham, é diferente desta vez. Grantham acredita que está permanentemente terminada a tendência dos últimos 100 anos, em que os preços de quase todas as principais commodities vem caindo. E, daqui em diante, os seres humanos estarão competindo mais - e pagando mais - pelos recursos cada vez mais escassos.

Do ponto de vista de investimento, essa mudança de paradigma não significa necessariamente um desastre: Grantham diz que o jogo óbvio é manter “as coisas no chão” (e no próprio terreno, como o enorme boom nos preços de terras agrícolas ilustra). O menos óbvio, mas igualmente convincente jogo é possuir empresas e tecnologias que facilitem a conservação dos recursos.Do ponto de vista social, a notícia é muito pior. Grantham acredita que, de forma sustentável, o planeta só pode suportar cerca de 1,5 bilhão de seres humanos, contra os 7 bilhões na Terra agora (caminhando para 10-12 bilhões). Por toda a história, exceto nos últimos 200 anos, a população humana foi controlada por meio dos limites do abastecimento alimentar. Grantham pensa que, eventualmente, a mesma força entrará em jogo novamente.A esperança dos otimistas, é claro, é que a “ciência” vai encontrar uma solução para esse problema, do jeito que foi nos últimos 150 anos. Mas, a menos que o mundo acorde imediatamente para a gravidade do problema - e faça de arrumar isso uma prioridade global - Grantham não vê isso acontecendo.(Business Insider, via Diário da Profecia)Nota: É bom lembrar que apenas um vulcão (no Chile) já está trazendo sérias consequências para a economia e a infraestrutura do sul do continente sul-americano. Rebanhos estão sofrendo com falta de alimento, devido ao acúmulo de cinzas nos pastos, e rios estão contaminados. Voos foram cancelados em toda a região, com prejuízos consideráveis. Pense também nos terremotos que abalam a economia de um país inteiro, como aconteceu no Japão, no início deste ano, e está acontecendo na Nova Zelândia. Acrescente as inundações e tornados. Então, multiplique essas catástrofes (essa parece ser a tendência) e imagine o tipo de mundo em que estamos mergulhando. Infelizmente, dias piores virão e a humanidade terá que acordar para o fato de que a esperança vem do alto. Maranata![MB]

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Vai ser criado Grupo Parlamentar União Europeia-Brasil


Paulo Rangel, eurodeputado
O eurodeputado português Paulo Rangel anunciou na noite de quarta-feira, em Brasília, que o Parlamento Europeu prepara um grupo parlamentar específico para discutir as relações da União Europeia com o Brasil.
Paulo Rangel falava no 18.º Fórum Brasil-Europa, em que participou nas discussões sobre a atuação do Brasil e da União Europeia em fóruns internacionais e as perspetivas de cooperação.
Segundo a Agência Câmara, o eurodeputado mencionou que atualmente existe apenas um Grupo Parlamentar União Europeia-Mercosul.
Paulo Rangel, apesar de elogiar o trabalho do grupo que discute as relações com o Mercosul, disse que o Brasil merece um grupo específico devido ao protagonismo que representa hoje.
O Grupo Parlamentar União Europeia-Brasil deverá ser formado em breve, informou também o eurodeputado.
Logo após a apresentação no fórum e poucas horas após a sua chegada ao Brasil, Paulo Rangel dirigiu-se ao aeroporto de Brasília para regressou a Portugal.
Fontes da organização do fórum no Brasil disseram à Agência Lusa que o eurodeputado antecipou a viagem de regresso por ter sido convocado para uma reunião em Lisboa. Paulo Rangel tinha previsto ficar mais um dia no Brasil para encontros com políticos brasileiros.
O 18.º Fórum Brasil-Europa foi organizado pela Fundação Konrad Adenauer e pelos institutos de Relações Internacionais e de Ciências Humanas da Universidade de Brasília, com o apoio da Delegação da União Europeia no Brasil.
O encontro não tem caráter governamental e, por isso, não resultará em projetos concretos de cooperação, mas servirá para a ampliação do conhecimento sobre a relação Brasil-UE.
O fórum, cujo tema principal é "Brasil e União Europeia na Nova Ordem Global", continua ao longo do dia de hoje.
Entre os assuntos que serão abordados estão energia, mudanças climáticas, infraestruturas, parceria UE-Mercosul e o impacto da crise económica europeia nas relações entre os dois lados do Atlântico.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

A verdadeira família acossada entre os extremos

O que pode ser definido como “verdadeira família”? Segundo a Constituição e a própria Bíblia, o núcleo formado por um homem, uma mulher e filhos. Não fosse assim, nem a humanidade existiria, já que a procriação é prerrogativa do macho e da fêmea. A fidelidade conjugal, o amor, o respeito e a sexualidade sadia são aspectos promovidos pelos escritores bíblicos (leia Cantares de Salomão para ter uma ideia do tipo de amor romântico que Deus espera de e incentiva em um casal unido pelo matrimônio). Infelizmente, o inimigo de Deus sempre procura levar a humanidade para os extremos, pois sabem que eles são perigosos e não trazem verdadeira satisfação/felicidade. Claro que é preciso respeitar a liberdade de escolha de todos, inclusive daqueles que buscam – consciente ou inconscientemente – a autodestruição física, emocional e/ou espiritual. É preciso, além de respeitá-los, amá-los, ainda que se discorde do estilo de vida que adotam.

Segundo matéria publicada no DN Globo, “centenas de milhares de pessoas desfilaram [no sábado] em Roma no Europride, uma parada homossexual que serviu para protestar contra os ditames do Vaticano e a Itália ‘retrógrada’ do primeiro-ministro Silvio Berlusconi. [...] Na mira dos manifestantes esteve o Vaticano, que considera a homossexualidade um comportamento ‘desordenado’ e um pecado. Muitas [pessoas] levavam cartazes em que a cúpula da Basílica de São Pedro surgia cortada por um ‘não’ ou que proclamavam ‘Papa não, Gaga sim’, referindo-se à artista norte-americanaLady Gaga, que [se apresentou] depois do desfile”.
O texto informa ainda que “entre 300 mil e 500 mil [...] dançaram em volta de cerca de 40 caminhões, com um pequeno comboio reservado para as ‘famílias [sic] arco-íris’ de pais homossexuais e as suas crianças. [...] Paolo Patane, dirigente do grupo italiano Arcigay, afirmou esperar que o desfile possa contribuir para derrotar o governo de direita deSilvio Berlusconi, já afetado pelos maus resultados nas eleições autárquicas. [...] No ano passado, quando questionado sobre os escândalos sexuais em que esteve envolvido, Silvio Berlusconi respondeu que ‘é melhor gostar de meninas bonitas do que ser gay’. [No sábado], os manifestantes do Europride retribuiram o ‘mimo’: em cartazes e camisolas, um dos dizeres era ‘é melhor ser gay do que ser Berlusconi’.”

As atitudes machistas, impróprias e indecentes do primeiro-ministro italiano, sempre envolvido em escândalos sexuais com garotas, acabam reforçando o, digamos, campo adversário. Não é melhor ser gay em lugar de ser Berlusconi, como também não é melhor ser Berlusconi em lugar de ser gay. O melhor é ser fiel ao cônjuge, seguir os preceitos bíblicos no que tange à verdadeira família e viver a sexualidade pura criada por Deus para o contexto abençoado do casamento, no qual devem existir compromisso, respeito e romantismo – ingredientes que, segundo pesquisas, contribuem para a saúde e felicidade integrais do ser humano. Fuja dos extremos e peça ajuda a Deus para viver a vida como ela foi criada para ser vivida.[MB]

terça-feira, 14 de junho de 2011

Argentina presenta una vaca clonada para producir leche similar a la humana


Buenos Aires, 9 jun (EFE).- La presidenta de Argentina, Cristina Fernández, presentó hoy a la ternera "Isa", fruto de una clonación de genes bovinos con humanos llevada a cabo por científicos locales con el fin de obtener una vaca que produzca leche maternizada.
Isa, nacida en abril pasado en un campo del Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria (Inta), producirá cuando sea adulta, "una leche similar a la humana", explicó.
La clonación de la "primera vaca en el mundo capaz de producir leche maternizada" fue llevada a cabo por científicos del INTA y de la Universidad de San Martín (USAM), indicó la mandataria.
La ternera es el resultado de una clonación "con dos genes humanos que codifican proteínas presentes en la leche humana y de gran importancia para la nutrición de los lactantes", señaló el Inta en un comunicado.
"Esas proteínas son la lactoferrina y la lisozima humanas, que tienen funciones antibacterianas", ayudan a los niños a nutrirse de hierro y además proveen de agentes de inmunidad contra enfermedades, apuntó.
"Isa" producirá leche "que se asemejará a la humana, ya que la leche de vaca casi no contiene lisozima y la actividad de la lactoferrina es específica de cada especie", agregó el INTA.
"Yo fui criada a leche de vaca pura, no maternizada, porque mi mamá (...) Me va a matar mi mamá cuando me escuche decir esto, pero mi hermana y yo fuimos criadas a base leche de vaca pura y acá estamos", comentó Fernández en una videoconferencia con un campo del Inta en la ciudad bonaerense de Balcarce, donde se cría a la ternera.
"Es un orgullo para todos los argentinos tener la primera vaca clonada que dará leche maternizada: esto demuestra las cosas que somos capaces de hacer los argentinos", destacó la mandataria.
Señaló que "Isa" es "el nombre simpático" que los científicos pusieron a la ternera mediante un acrónimo de las siglas del INTA y la USAM.
Argentina entró al selecto club de la clonación destinada a crear vacas transgénicas con fines medicinales en agosto de 2002, cuando nació "Pampa", fruto de una clonación llevada a cabo por expertos del laboratorio local Bio Sidus con el fin de obtener leche bovina con la proteína de crecimiento humano "hGH".
Las descendientes de "Pampa", la primera ternera clonada en América Latina, producen leche de la que se extrae esa proteína para producir a menor coste las medicinas para niños con deficiencias de crecimiento.
En los últimos años, científicos argentinos han clonado caballos y toros con el fin de obtener ejemplares de mejor rendimiento. EFE

Cientistas dizem que ONU deve coordenar planos para lidar com extraterrestres


Os cientistas defendem mesmo a criação de uma agência especial da ONU para lidar com eventuais contactos com seres de outros planetas.
Traduzido: “vamos gastar dinheiro antes de termos qualquer evidência da vida em outros planetas”
Os cientistas querem ver um “processo adequado baseado em conselhos de peritos sérios e responsáveis” mas temem “interesses e oportunismo” num caso de contacto de extraterrestres, segundo a revista científica Philosophical Transactions da Royal Society, citada num artigo do diário britânico “The Guardian”.
Quem escolherá os “peritos sérios e responsáveis”?
“A falta de coordenação pode ser evitada através da criação de um quadro amplo num esforço verdadeiramente global governado por um corpo com legitimidade política internacional”, dizem John Zarnecki, da Open University, e Martin Dominik, da Universidade St Andrews, num dos artigos da revista.
As Nações Unidas, acrescentam, têm já um fórum ideal para lidar com a questão, o Comité para Utilização Pacífica do Espaço (Copuos).

As mesmas pessoas que defendem que a Criação não tem lugar na “ciência” são essencialmente as mesmas pessoas que gastam elevadas somas de dinheiro em pesquisas que não deram o mínimo fruto em mais de 50 ou 60 anos de pesquisa.


(darwinismo)

sábado, 11 de junho de 2011

COMO VOCÊ TEM GASTO SEU DINHEIRO?

                                     CLIQUE NA IMAGEM PARA QUE SE AMPLIE

Em tempos de liberdade intolerância é contra religiosos


Uma das principais jogadoras da seleção de Israel, Naama Shafir, pode ficar fora do Europeu de basquete por não chegar a um acordo com a FIBA sobre seu uniforme na competição. Judia ortodoxa, a pivô, que atua no basquete universitário dos EUA, pediu para usar uma camisa por baixo da roupa de sua seleção, como faz no seu time. O pedido, no entanto, não foi atendido. De acordo com o regulamento, todas as jogadoras devem usar o mesmo uniforme. Naama, no entanto, quer seguir as orientações de sua religião, que diz que as mulheres devem cobrir os ombros em público. Os organizadores do campeonato, que será realizado na Polônia, neste mês, disseram que a jogadora não poderá usar a camisa durante o campeonato. Nesta quinta, Naama afirmou que, então, não vai participar da competição. A federação israelense chegou a apelar da decisão, mas não foi atendida.(Globo Esporte)                                                  Nota: Enquanto alguns têm a liberdade assegurada de desfilar nas avenidas, em plena luz do dia, com trajes sumários e em atitudes indecorosas, Naama é impedida de jogar pelo fato de primar pela decência seguindo os ditames de sua consciência religiosa. Estamos assistindo a uma verdadeira inversão total de valores neste mundo que vai se corroendo aos poucos. Parabéns, Naama! Que seu exemplo insufle coragem naqueles que desistiram de lutar pelo que consideram correto e que, para não se incomodar ou ser taxados de “fundamentalistas”, tornaram-se verdadeiras marias-vão-com-as-outras.[MB]




(Criacionismo.blog)

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Protejamos el domingo festivo en España y en Europa: hay cosas que no tienen precio

Marx (el cardenal), el filósofo Spaemann, los obispos católicos europeos y los protestantes en campaña por el domingo

El domingo festivo –heredero del sabbath judío- es, probablemente, el mayor avance de los trabajadores en toda la historia, y se generalizó en Occidente por decreto del emperador Constantino en el siglo IV, incluso exigiendo el descanso de los esclavos (en la Roma pagana se trabajaba 7 días a la semana y se acusaba de perezosos a los judíos por su descanso semanal religioso). La cultura del festivo semanal (a menudo el domingo) se extendió luego a todo el mundo, a países de culturas diversas. 
Este gran avance corre peligro ahora en Occidente, incluyendo España. Según El Confidencial Digital,  las compañías comerciales más importantes quieren presionar al PP para que sus comunidades autónomas (ahora casi todas) permitan abrir sus establecimientos durante 22 domingos al año (algo que ya se hace en la de Madrid; las otras comunidades permiten solo 8 domingos al año). El Corte Inglés, C&A, Alcampo, Mediamarkt, Ikea, Carrefour y otras superficies habrían estado negociando ya con los populares esta medida. 
Marx defiende el domingo... el cardenal, no el comunista
Hay militantes de ideología liberal (como los hubo de ideología comunista) que insisten en cuantificar económicamente el domingo trabajado, pero los beneficios del domingo festivo van más allá de lo económico y la Iglesia se prepara para defender el domingo y plantar cara a las ideologías materialistas, de izquierdas o de derechas.
El cardenal alemán Reinhard Marx, hombre de confianza de Benedicto XVI y un experto en Doctrina Social acostumbrado a hacer bromas acerca de su tocayo Karl Marx, trata el tema del domingo en su libro "El Capital, un alegato a favor de la humanidad" (Ed. Planeta).
"A la reducción funcionalista de un pensamiento meramente economicista, O'Donovan [antiguo presidente de la Universidad de Georgetown] opone la tradición del legado judeocristiano, como se manifiesta en el precepto del 
descanso del sabbat desde el principio de la creación. El sabbat, o el domingo en nuestro caso,es el día del descanso del Señor, y debe serlo también del hombre. En esta función aparentemente tan inútil tiene el domingo un profundo sentido. La interrupción de la actividad diaria ofrece al hombre la posibilidad de encontrarse consigo mismo y de ir más allá de sí mismo y dirigirse a Dios", escribe el cardenal Marx.
Después, cita a un gran defensor del domingo festivo, el filósofo alemán Robert Spaemann, quien afirma que "la pregunta qué nos cuesta el domingoqué estamos dispuestos a que nos cueste como máximo, es una pregunta capciosa, que esconde una condena del descanso dominical".
Ya en un texto de 2001, Spaemann advertía:
"El domingo es domingo precisamente porque no cuesta nada y, en el sentido económico, no aporta nada. La pregunta de cuánto cuesta preservarlo como día en el que no se trabaja supone haber convertido ya el domingo mentalmente en un día laborable para calcular después cuánto dejamos de ganar renunciando a ese día de trabajo. Pero justamente este cálculo ha destruido el sentido fundamental que define al domingo en los países cristianos, al sábado entre los judíos y al viernes en el Islam. Este sentido radica en que el domingo no forma parte del sistema funcional de nuestra existencia. Ese día no somos sirvientes, sino señores. No servimos para algo, simplemente somos, y todo lo demás no importa" (Spaemann, Zur ethischen dimension des Handelns)."
Desde 2008, los obispos católicos europeos, representados en las instituciones europeas mediante la COMECE (Comisión de las Conferencias Episcopales de la Unión Europea) están trabajando con diversos movimientos para que Europa refuerce sus raíces culturales (¡y laborales!) reconociendo el domingo como un día especial. "Durante varios años, no ha habido ni rastro del carácter específico del domingo en los documentos de la Unión Europea”, denunciaba en octubre de 2010 el secretario de la COMECE, Piotr Mazurkiewicz.
“Una persona necesita al menos un día de descanso a la semana para recuperarse, por exigencias espirituales y para tener tiempo para estar con la familia”, explicó Mazurkiewicz. Por esos motivos, “es muy importante garantizar y proteger el día del domingo, como día libre, como están pidiendo asociaciones culturales, movimientos religiosos y sindicatos”, añadió.
Por esas fechas se tanteaba la posibilidad de recoger "un millón de firmas en nueve países de la Unión Europea”, y Polonia se mostraba especialmente militante. El obispo de Tarnów, Wiktor Skworc, afirmaba que “no se puede imaginar la Europa de hoy sin el domingo como un día para la familia”. Sacerdotes de cinco diócesis, periodistas y miembros de movimientos y asociaciones polacas (Asociación Iglesia Doméstica, Asociación Católica de la Juventud y Acción Católica), invitados por el eurodiputado polaco Paweł Kowal presentaron sus peticiones en este sentido en Bruselas.
En Francia, en 2010, el Colectivo de Amigos del Domingo (completamente aconfesional) recogió cien mil firmas autentificadas (8.000 en papel y 96.000 electrónicas en su web http://www.travail-dimanche.com ) para proteger este día. En su web daba numerosos argumentos a favor del domingo, incluyendo los laborales y los sanitarios. Les precedía como un éxito una nueva ley en Croacia, con efecto desde el 1 de enero de 2009, en el que se implantaba el cierre de la mayor parte de los negocios y tiendas en domingo.  
Pero la gran campaña de las Iglesias a favor del domingo en Europa se pondrá en marcha a partir del 20 de junio en Bruselas, según explica la COMECE. Formará parte de una alianza entre católicos, protestantes, ortodoxos, sindicatos y movimientos cívicos.
La enseñanza católica al respecto es clara en el Catecismo (punto 2188): "En el respeto de la libertad religiosa y del bien común de todos, los cristianos deben reclamar el reconocimiento de los domingos y días de fiesta de la Iglesia como días festivos legales. Deben dar a todos un ejemplo público de oración, de respeto y de alegría, y defender sus tradiciones como una contribución preciosa a la vida espiritual de la sociedad humana."

Economic Hit Man


quinta-feira, 9 de junho de 2011

Bilderbergs Mandaram Matar um Presidente


Banqueiro Suíço Desmascara Bilderberg

A entrevista abaixo foi publicada no site russo noviden.info, e mostra de forma reveladora como os  poderosos membros da elite estão dispostos a tudo para manter o controle, inclusive assassinar presidentes.

Q: Pode nos dizer algo sobre o seu envolvimento no negócio bancário suíço?

R: Eu trabalhei para os bancos suíços durante muitos anos. Eu fui designado como um dos principais diretores de um dos maiores bancos suíços. Durante o meu trabalho eu estava envolvido no pagamento direto em dinheiro a uma pessoa que matou o presidente de um país estrangeiro. Eu estava na reunião onde foi decidido dar esse dinheiro em espécie para o assassino. Isto deu-me dramáticas dores de cabeça e deixou muito conturbada a minha consciência. Não foi o único caso que foi muito ruim, mas foi o pior.

Foi uma instrução de pagamento por ordem de um serviço secreto estrangeiro escrito à mão que ordenava pagar uma certa quantia para uma pessoa que matou o líder de um país estrangeiro. E não foi o único caso. Recebemos em mão várias cartas escritas provenientes de serviços secretos estrangeiros dando ordens de pagamento em dinheiro a partir contas secretas para financiar revoluções ou o
assassinato  de pessoas. Posso confirmar que John Perkins escreveu no seu livro "Confissões de um Hit Man Económico" . E realmente só existe um sistema e os bancos suíços estão envolvidos em tais casos.

Q: O livro de Perkins é também traduzido e disponível em russo. Você pode nos dizer qual foi o banco e quem foi o responsável?

R: Foi um dos três maiores bancos suíços na época e era o presidente de um país de terceiro mundo. Mas eu não quero dar muitos detalhes, porque eles irão me achar muito facilmente se eu disser o nome do presidente e o nome do banco. Eu iria arriscar a minha vida.

Q: Você também não pode nomear qualquer pessoa do banco?

R: Não, eu não posso, mas posso assegurar-vos que isso aconteceu. Éramos várias pessoas na sala de reuniões. A pessoa encarregada do pagamento físico do dinheiro veio até nós e nos perguntou se ele tinha permissão para pagar uma quantia tão grande em dinheiro a essa pessoa e um dos diretores explicou o caso e todos os outros disseram "ok, você pode fazê-lo".

Q: Será que isso aconteceu muitas vezes? Era este um tipo de fundo clandestino?

R: Sim. Este foi um fundo especial administrado em um lugar especial no banco onde todas as cartas codificadas vinham do exterior. As cartas mais importantes eram escritas à mão. Tivemos de decifrá-las e nelas estava a ordem de pagar uma certa quantia de dinheiro das contas para o assassinato de pessoas, o financiamento de revoluções, combates,  de todos os tipos de coisas. Eu sei que certas pessoas que fazem parte do grupo Bilderberg estavam envolvidas em tais ordens. Quer dizer, eles deram as ordens para matar.

Q: Pode nos dizer em que ano ou década que isso aconteceu?

R: Eu prefiro não dar-lhe o ano exato, mas foi na década de 80.

Q: Você teve algum problema com este trabalho?

R: Sim, um problema muito grande. Eu não conseguia dormir por muitos dias e depois de um tempo eu saí do banco. Se eu lhe dar muitos detalhes, eles vão me seguir. Vários serviços secretos estrangeiros, falando principalmente o inglês, deram ordens para financiar atos ilícitos, até mesmo o assassinato de pessoas por meio de bancos suíços. Tivemos que pagar por ordem de potências estrangeiras para a matança de pessoas que não seguem as ordens dos Bilderbergs ou o FMI ou o Banco Mundial, por exemplo.

Q: Esta revelação que você está fazendo é muito alarmante . Por que você sente o impulso de dizer isso agora?

R: Porque os Bilderbergs estão reunidos na Suíça. Porque a situação mundial está ficando cada vez pior. E porque os maiores bancos da Suíça estão envolvidos em atividades anti-éticas. A maioria destas operações estão fora do balanço. Ela é um múltiplo do que está oficialmente declarado. Estas operações não são auditadas e isto  acontece o pagamento de quaisquer impostos. Os valores envolvidos tem um monte de zeros. São enormes somas de dinheiro.

Q: Então são bilhões?

R: É muito mais, são trilhões, completamente não-auditados, ilegais e fora do sistema fiscal. Basicamente é um roubo de todo mundo. Eu quero dizer a maioria das pessoas normais pagam impostos e respeitam as leis. O que está acontecendo aqui é completamente contra os nossos valores suíços, como honestidade imparcialidade e boa fé. Nas reuniões em que eu estava envolvido, as discussões eram completamente contra os nossos princípios democráticos. Veja você, a maioria dos diretores dos bancos suíços não são mais locais, eles são estrangeiros, principalmente anglo-saxões, ou americanos ou britânicos, E eles não respeitam a nossa neutralidade, não respeitam os nossos valores, eles são contra os nossa democracia direta, eles apenas usam os bancos suíços para os seus meios ilegais.

Eles usam grandes quantidades de dinheiro criado do nada e destroem a nossa sociedade e os povos no mundo inteiro apenas por ganância. Eles buscam o poder e destruem países inteiros, como Grécia, Espanha, Portugal ou a Irlanda e a Suíça será uma das últimas da fila. E eles usam a China como seus escravos trabalhadores. E uma pessoa como Josef Ackermann, que é um cidadão suíço, é o homem mais forte em um banco alemão e ele usa seu poder para a ganância e não respeita as pessoas comuns. Ele tem alguns casos jurídicos na Alemanha e agora também nos Estados Unidos. Ele é um Bilderberg e não se preocupa com a Suíça ou qualquer outro país.

Q: Você está dizendo que algumas dessas pessoas que você está mencionando irão estar participando da reunião do Grupo Bilderberg que acontecerá em junho, em St. Moritz?

R: Sim.

Q: Então, eles estão atualmente em uma posição de poder?

R: Sim. Eles têm grandes quantidades de dinheiro disponível e irão usá-lo para destruir países inteiros. Eles destroem a nossa indústria e a constroem na China. Por outro lado, eles abriram as portas na Europapara todos os produtos chineses. A população trabalhadora da Europa está ganhando cada vez menos. O verdadeiro objetivo é destruir a Europa.

Q: Você acha que a reunião de Bilderberg em St. Moritz tem valor simbólico? Porque em 2009 eles se na Grécia, em 2010, em Espanha e olha o que aconteceu com eles. Será que isso significa a Suíça pode esperar algo de ruim?

R: Sim. A Suíça é um dos países mais importantes para eles, porque há tanto dinheiro aqui. Eles estão se reunindo lá, porque para além de outras coisas  eles querem destruir todos os valores que a Suíça representa. Você vê que é um obstáculo para eles, não fazer parte da União Europeia ou do Euro, não são totalmente controlado por Bruxelas, e assim por diante. Quanto aos valores eu não estou falando sobre os grandes bancos suíços, porque eles não são mais suíços, a maioria deles são lideradas pelos norte-americanos. Eu estou falando sobre o verdadeiro espírito suíço que as pessoas comuns valorizam e mantem.

E é claro que tem um valor simbólico, como você disse, sobre a Grécia e a Espanha. Seu objetivo é ser uma espécie de clube de elite exclusivo que tem todo o poder e todo o resto das pessoas são pobres e decadentes .

Q: Você acha que o objetivo de Bilderberg é criar uma espécie de ditadura global, controlada por grandes corporações globais, onde não exista mais estados soberanos?

R: Sim, e a Suíça é o único lugar com uma democracia direta e está no seu caminho. Eles usam a chantagem do "muito grande para cair", como no caso da UBS para deixar o nosso país endividado, assim como fizeram com muitos outros países. No final, talvez eles queiram fazer com a Suíça o que eles fizeram com a Islândia, deixando todos os bancos e o país inteiro falido.

Q: E também para trazer a Suíça para a União Européia (UE)?

R: Claro que sim. A União Européia está sob as garras de ferro do grupo Bilderberg.

Q: O que você acha que poderia parar este plano?

R: Bem, esta é a razão de eu estar falando com você. É verdade. E a verdade é o único caminho. Colocar uma luz sobre esta situação, expô-la. Eles não gostam de estar no centro das atenções. Temos de criar transparência no setor bancário e em todos os níveis da sociedade.

Q: O que você está dizendo é que existe um lado correto no negócio bancário suíço e há alguns grandes bancos que estão abusando do sistema financeiro para suas atividades ilegais.

R: Sim. Os grandes bancos estão treinando seus funcionários com os valores anglo-saxões. Eles estão treinando para serem gananciosos e cruéis. E a ganância está destruindo a Suíça e todos os outros países. Como país, nós temos a maioria dos bancos que operam mais corretamente no mundo, se você olhar para os bancos pequenos e médios. São apenas os grandes que operam globalmente que são um problema. Eles não são mais suíços e não se consideram como tal.

Q: Você acha que é uma coisa boa que as pessoas estão expondo os Bilderbergs e mostrando quem eles realmente são?

R: Acho que o caso de Strauss-Kahn é uma boa oportunidade para nós, porque mostra que estas pessoas são corruptas, doentes em suas mentes, tão doente que eles estão cheios de vícios e estes vícios são mantidos em sigilo sob suas ordens. Alguns deles, estupram como Strauss-Kahn, outros são sadomasoquismo, ou pedófilos e muitos estão envolvidos no satanismo. Quando você vai em alguns bancos que você vê estes símbolos satanistas, como no Banco Rothschild, em Zurique. Estas pessoas são controladas através de chantagens por causa das fraquezas que têm. Elas precisam seguir as ordens ou eles serão expostos, destruídos ou até mesmo mortos. A reputação de Strauss-Kahn não foi destruída apenas morta mídia de massa, ele poderia ser morto também literalmente.

Q: Já que Ackermann está no comité de direção do Grupo Bilderberg, você acha que ele é um grande tomador de decisão lá?

R: Sim. Mas existem muitos outros, como Lagarde, este provavelmente será o próximo chefe do FMI, também membro do Bilderberg, em seguida, Sarkozy e Obama. Eles têm um novo plano para censurar a internet, porque a internet ainda é livre. Eles querem controlá-la e usam o terrorismo ou qualquer outra coisa como uma justificativa. Eles poderiam até mesmo planejar algo horrível para que eles tenham uma desculpa.

Q: Então esse é o seu medo?

R: Não é apenas um receio, estou certo disso. Como eu disse,  eles deram ordens para matar, então eles são capazes de coisas terríveis. Se eles têm a sensação de que estão perdendo o controle, como o levante agora na Grécia e na Espanha e, talvez a Itália será a próxima, então eles podem fazer outra rede Gladio (exército secreto europeu sob o comando da CIA e MI6, deixado dormente depois da 2º Guerra Mundial até que fosse necessário). Eu estava perto da rede Gladio. Como você sabe instigaram o terrorismo pago com dinheiro americano para controlar o sistema político na Itália e de outros países europeus. Em relação ao assassinato de Aldo Moro, o pagamento foi feito através do mesmo sistema que eu te falei.

Q: Ackermann foi parte deste sistema de pagamentos em bancos suíços?

R:   (sorri)... você que é o jornalista. Olhe para a sua carreira e quão rápido ele chegou ao topo.

Q: O que você acha que pode ser feito para impedi-los?

R: Bem, existem muitos livros bons lá fora, que explicam a fundo e conectam os pontos, como o que mencionei do Perkins. Essas pessoas realmente têm assassinos que são pagos para matar. Alguns deles recebem o seu dinheiro através de bancos suíços. Mas não é só isso, eles têm um sistema instituído em todo o mundo. Estas pessoas estão preparadas para fazer qualquer coisa para manter o controle. E eu quero dizer realmente qualquer coisa.

Q: Através da exposição podemos detê-los?

R: Sim, dizendo a verdade. Estamos confrontando com criminosos realmente cruéis, e também grandes criminosos de guerra. É pior que genocídio. Eles estão prontos e capazes de matar milhões de pessoas apenas para permanecer no poder e no controle.

Q: O senhor pode explicar a partir do seu ponto de vista, porque a mídia de massa no ocidente é completamente omissa quanto ao Grupo Bilderberg?

R: Porque há um acordo entre eles e os donos dos meios de comunicação. Você não fala sobre isso. Eles os compram. Além disso, alguns dos grandes chefes da mídia são convidados para as reuniões, mas eles não ordenados a não relatar nada do que eles vêem e ouvem.

Q: Na estrutura do Grupo Bilderberg, há um círculo que sabe dos planos, e então há uma maioria que apenas seguem as ordens?

R: Sim. Você tem o círculo interno que estão envolvidos no satanismo e depois há as pessoas ingênuas ou menos informados. Algumas pessoas ainda pensam que estão fazendo algo de bom, o círculo exterior.

Q: De acordo com documentos expostos e as próprias declarações, o grupo Bilderberg decidiu em 1955 criar a União Européia e o euro, e desta forma tomou decisões importantes e de grande alcance.

R: Sim, e você sabe que Bilderberg foi fundado pelo príncipe Bernard, um antigo membro das SS nazista e do partido nazista e ele também trabalhou para a IG Farben, cuja subsidiária produzia o Cyclone B (o pesticida utilizaqo nas câmaras de gás dos campos de extermínio). O outro homem era o chefe da Occidental Petroleum, que tinha relações estreitas com os comunistas na Sowjetunion. Trabalharam com ambos os lados, mas realmente estas pessoas são fascistas que querem controlar tudo e qualquer um que fique em seu caminho é removido.

Q: O sistema de pagamento você explicou está fora das operações normais, compartimentada e em segredo?

R: Nos bancos suíços trabalhadores normais não sabem que isso está acontecendo. É como um departamento segreto dentro do banco. Como eu disse estas operações estão fora do balanço, sem nenhuma supervisão. Alguns estão situados no mesmo edifício, outros estão de fora. Eles têm sua própria segurança e área especial, onde somente pessoas autorizadas podem entrar.

Q: Como eles mantêm estas transações fora do sistema Swift internacional?

R: Bem, algumas das listas Clearstream eram verdadeiras no início. Eles apenas incluiram nomes falsos para fazer as pessoas acreditarem que toda a lista fosse falsa. Você vê que eles também erram. A primeira lista era verdadeira e você pode rastrear um monte de coisas. Você vê, existem pessoas ao redor que descobrem irregularidades, a verdade, e as reportam. Depois é claro que existem ações judiciais e essas pessoas são forçadas a se calar.

A melhor maneira de pará-los é dizer a verdade, colocar o holofote sobre eles. Se não impedi-los, vamos acabar como os seus escravos.

Q: Obrigado por esta entrevista.

Peter Odintsov
Moscou, 30 mai 2011
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...