domingo, 20 de novembro de 2011

INGLATERRA TERÁ LEI QUE PRATICAMENTE OBRIGA OS TEMPLOS A ACEITAREM UNIÕES HOMOSSEXUAIS



No dia 5 de dezembro será revogada a lei que proíbe que as igrejas da Inglaterra celebrem uniões civis. O governo estima que cerca de 1500 homossexuais irão formalizar anualmente suas uniões em templos de diferentes religiões. A média de casamentos no país é de 5500 por ano. Lynne Featherstone, Subsecretária para a Igualdade, fez o anúncio depois de o primeiro-ministro David Cameronter declarado publicamente que acreditava nos casamentos gays e que o matrimônio era um “valor dos conservadores”.

A lei conhecida como está em vigor desde dezembro de 2005 no país e permite a união civil entre gays e lésbicas, dando os mesmos direitos que possuem os casais heterossexuais. Porém, ainda mantinha restrição de registros dessa união em lugares de culto. Estima-se que desde então, cerca de 40 mil casais do Reino Unido se beneficiaram dessa lei. Provavelmente muitos deles irão agora fazer a cerimônia religiosa. Embora a decisão do governo não obrigue as igrejas a realizar os casamentos, várias denominações cristãs anunciaram que estarão de portas abertas para os interessados.

Tanto quakers, como a Igreja Unitarista e muitos dos judeus progressistas já se preparam para a mudança da lei. A Igreja Católica inglesa parece dividida sobre a questão, assim como a Igreja da Inglaterra [Episcopal Anglicana]. Há grupos dentro de ambas que se dispõe a celebrar as uniões, mas existe resistência das alas mais conservadoras.

Ano passado, cinco bispos anglicanos escreveram uma carta aberta que foi publicada pelo jornal The Times. Eles defendiam que era injusto para os casais homossexuais não poderem contar com o reconhecimento da igreja uma vez que o direito civil já estava garantido. Desde que Gene Robinson foi nomeado bispo, mesmo sendo declaradamente gay, em 2003, a Igreja Anglicana vem debatendo mais acentuadamente a questão da homossexualidade. Em 2010, o arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, autoridade máxima da Igreja, concordou com a ordenação de bispos gays e anunciou medidas consideradas progressistas demais.

“Nosso governo está avançando para oferecer a igualdade para os que pertencem a grupos LGBT. Nenhuma confissão religiosa é forçada a aceitar, mas agora existe a opção para aqueles que desejarem fazer isso. Trata-se de um marco importante”, declarou Lynne Featherstone. O principal argumento do premiê Cameron é que os homossexuais precisam ter acesso aos mesmos direitos humanos fundamentais. Seu partido vinha perdendo apoio da comunidade gay e a decisão tem sido chamada pelos opositores do governo de populista. A mudança da lei garante que a partir de 5 de dezembro, as cerimônias realizadas nos templos religiosos serão feitas por sacerdotes (padres, pastores, rabinos e outros) com os mesmos ritos usados para casamentos tradicionais.
Fonte: O Verbo

NOTA: E isto não é "forçar as confissões religiosas"? Quem quisre invadir seus templos para se casar com alguém do mesmo sexo, mesmo que o templo represente uma confissão de fé que rejeite tal ato, não terá o aval do governo? Que tipo de "democracia" é esta, cujas soluções para grupos minoritários é a supressão total da vontade de grupos majoritários? Como pode haver democracia num ambiente em que os "direitos humanos" são reverenciados ao mesmo tempo em que os mesmos são vituperados? Este é a tendência geral do Ocidente. Este, infelizmente, é o sombrio horizonte que se delineia ante cada um dos que defendem sóbria e firmemente os princípios da fé cristã.

Um comentário:

Anônimo disse...

ta todo mundo loko

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...